A cadeia do etanol de milho

A cadeia do etanol de milho

O biocombustível está se desenvolvendo a plenos pulmões no mundo e o Brasil segue acompanhando o mercado. Por aqui, o que mais tem se destacado é o etanol de milho. A cadeia do etanol de milho é composta por agentes que fornecem insumos de produção e outros que consomem os diversos produtos que ela gera. No artigo de hoje, vamos entender um pouco mais sobre essa cadeia e o que a envolve.

O que compõe a cadeia do etanol de milho?

A cadeia produtiva do etanol de milho no Brasil conta com diversos componentes que vão além do cereal. Para que o etanol de milho seja produzido, é necessário o fornecimento de energia (biomassa) com a produção de eucalipto e insumos como produtos químicos e maquinários.

cadeia produtiva do etanol de milho no Brasil

Pensando nos diferentes produtos gerados, temos tanto a indústria de alimentos, como a de ração ou mesmo o consumo tradicional do biocombustível como elo integrante da mesma.

Produtos gerados na produção do etanol de milho

Mil toneladas de milho produzem aproximadamente 425 mil litros de etanol, mas se engana quem acha que é somente isso que o milho usinado pode produzir. Além da produção do etanol, mil toneladas de milho podem render também:

  • 312 toneladas de DDG;
  • 12,5 toneladas de óleo de milho;
  • 12,5 MW/h de bioeletricidade.

Aqui vale um destaque para o DDG: o DDG é o grão seco do milho após a destilação e vem ganhando espaço no mercado nacional e internacional, já que pode ser uma alternativa viável à alimentação animal devido seu teor proteico, podendo, inclusive, concorrer com o farelo da soja.

O milho é a matéria-prima com maior produtividade para produção de etanol

O milho tem produtividade agrícola inferior à cana-de-açúcar, mas apresenta produtividade muito superior para a produção de etanol. Para efeito comparativo, o milho apresenta rendimento industrial quase 4 vezes superior à cana-de-açúcar e também tem produção maior que o sorgo.

comparativo das principais fontes para produção do etanol

Vale destacar que o milho é predominantemente cultivado em 2ª safra e que, portanto, o uso de área se dá em sucessão, aspecto que reforça a sustentabilidade da cadeia produtiva.

Os três tipos de usinas de etanol de milho no Brasil

Hoje, no Brasil, existem 17 usinas que usam o milho como matéria-prima para o biocombustível. 99% da produção ocorre em Goiás e no Mato Grosso. Outros estados brasileiros que possuem usinas são o Paraná e São Paulo, responsáveis por 1% da produção total.

Existem três modelos de usinas de etanol de milho no Brasil, as quais

se caracterizam em função de fontes de matéria-prima e operação: Usina Full Milho; Usina Flex e Usina Flex Full.

tipos de usinas de etanol de milho

Saiba mais sobre a cadeia do milho aqui no blog Somos Milhões e tenha acesso a muitos conteúdos seguindo a Nidera Sementes no Instagram.

Fonte:

Fonte: Neves et al. (2021). Livro “Etanol de Milho: Cenário Atual e Perspectivas”

Deixe um comentário