Cadeia do milho em março e o que esperar para o mês de abril

Cadeia do milho em março e o que esperar para o mês de abril

A cadeia do milho continua com atualizações constantes: mês a mês, os relatórios são revisados e as projeções sofrem alterações. No artigo de hoje, vamos falar sobre a cadeia do milho em março e os principais fatos que marcaram o período.

cadeia do milho em março

Guerra entre Rússia e Ucrânia impactam a cadeia mundial do milho

O conflito que se iniciou em fevereiro segue com impactos na cadeia mundial do milho: segundo a USDA, na safra 2020/21, a Ucrânia foi o 4º maior exportador do cereal e a Rússia o 5º.  

Por conta do conflito, o governo da Ucrânia decidiu suspender a exportação de diversos alimentos, inclusive os cereais, preocupado em manter estoques para abastecer sua população.

As consequências de uma menor oferta do milho são preços mais altos nos contratos atuais e futuros.

Para o Brasil, a guerra entre os países pode significar mais exportação do milho brasileiro (para suprir as demandas deixadas pela Ucrânia), mas a preocupação mesmo é com o abastecimento de fertilizantes, grande maioria importada da Rússia. Isso fez com que o governo federal lançasse o Plano Nacional de Fertilizantes, que prevê reduzir de 85% para 45% a nossa dependência de compras externas destes insumos.

impactos da guerra entre Rússia e Ucrânia na cadeia do milho em março

Clima segue proporcionando incertezas para o produtor brasileiro de milho

Apesar de manter as estimativas de produção praticamente iguais às de fevereiro, o Brasil segue em um clima de incertezas, figurada e literalmente. O Instituto Nacional de Meteorologia (InMet) divulgou previsões que apontam médias de chuvas menores nos próximos meses, especialmente por conta da possibilidade de o fenômeno La Niña continuar.

cadeia do milho em março

5 pontos de atenção da cadeia de milho no mês de abril

Preparamos 5 pontos de acompanhamento da cadeia do milho em abril. Confira a seguir:

  • Tensões geopolíticas entre Rússia e Ucrânia: a guerra entre os dois países deve prejudicar diretamente o suprimento global de milho, fazendo com que os preços fiquem em níveis elevados.
  • Início da safra de milho em importantes players: o plantio de milho nos EUA deve iniciar nos próximos meses, com expectativa de crescimento da área plantada. O mesmo deveria acontecer com a Ucrânia, mas ainda é incerto o futuro do país e de sua agricultura.
  • Clima e possibilidade de continuidade do La Niña: mais de 70% das áreas de milho já foram semeadas na segunda safra e a preocupação agora é com o clima. O fenômeno La Niña pode prejudicar a pluviosidade das principais praças produtoras de milho.
  • Oferta, disponibilidade e custos de fertilizantes: as sanções à Rússia seguem acontecendo em todas as esferas possíveis, o que pode significar uma redução drástica (se não total) da importação de fertilizantes.
  • Progresso das exportações brasileiras de milho: em alguns meses, veremos com mais clareza os impactos da guerra entre Rússia e Ucrânia na cadeia global de milho. Se o Brasil aumentar suas exportações do cereal, fatalmente os preços internos devem se valorizar, o que impacta diretamente cadeias interligadas, como as de produção de carne, leite e ovos, por exemplo.

Neste artigo, reunimos o que aconteceu de mais relevante na cadeia de milho em março. Continue aqui no blog para acompanhar outras informações sobre o cereal. Além disso, você pode seguir a nossa página no Instagram para ter acesso a outros conteúdos sobre a marca especialista em sementes.

Fonte

Prof. Marcos Fava Neves, Vinícius Cambaúva e Markestrat Group.

Deixe um comentário