Saldo da balança comercial do agro e do milho

Saldo da balança comercial do agro e do milho

O saldo da balança comercial é a diferença entre importações e exportações de um país. Se o país importa mais do que exporta, o saldo será devedor, representando um déficit. Agora, se as exportações são superiores às importações, isso representa um superávit, que é injetado na economia. Neste artigo de hoje vamos falar sobre a evolução do saldo da balança comercial do agro e do milho, comparando dados passados com os atuais e também com projeções futuras. Vamos lá?

O crescimento do saldo da balança comercial do agronegócio

Não é incomum compararmos períodos para sabermos onde houveram avanços e possíveis pontos de atenção. Quando comparamos o período de 1999 a 2019, é possível ver que o saldo da balança comercial brasileira cresceu impressionantes 460%, saindo de 14,8 bilhões de dólares para 83,08 bilhões de dólares em 2019, um volume adicional de US$ 68,28 bilhões. 

Esse valor corresponde a cerca de US$ 3,4 bilhões de crescimento no ano. Isso mostra a força do agronegócio que, comparado com os outros setores, consegue compensar o resultado negativo e injetar mais US$ 48,03 bilhões à economia brasileira. Confira no gráfico abaixo:

crescimento do saldo da balança comercial do agronegócio

Balança comercial do agronegócio foi salva pelo milho e pela carne em 2019

Se o cenário não era o mais favorável no início de 2019, especialmente pelas estimativas de queda da soja, isso mudou consideravelmente no final do ano e existem dois responsáveis principais: o milho e a carne.

Falando exclusivamente sobre o milho em 2019, podemos considerar um recorde de exportações, com números que ultrapassaram 39 milhões de toneladas e representaram receitas de US$ 6,7 bilhões, 103% mais do que o período de janeiro a novembro de 2018.

Em 2020 a história se repete e o agro impulsiona a balança comercial

Se normalmente o agronegócio mantém o sarrafo alto, com fatores que o beneficiam, isso só tende a crescer cada vez mais, e foi exatamente o que aconteceu em 2020. A desvalorização do real frente ao dólar, a guerra comercial envolvendo os EUA e a China e condições climáticas favoráveis contribuíram para que o Brasil se mantivesse líder no setor.

Essa liderança foi refletida em excelentes números: saldo da balança comercial positivo de quase 4 bilhões de dólares na categoria de cereais, farinhas e preparações. Evolução que vem acontecendo desde 2010, quando saímos de um saldo negativo de 120 milhões de dólares e fechamos no azul em todos os anos seguintes, chegando aos 3,9 bilhões de dólares em 2020.

evolução no saldo da balança comercial de cereais, farinhas e preparações

A importância do milho para o saldo da balança em 2020

O período de 2010 a 2020 proporcionou anos excepcionais para o milho brasileiro, com destaque para 2019 e 2020. O produto saiu de US$ 2,08 bilhões em 2010 para US$ 5,6 bilhões em 2020, um crescimento de 2,7 vezes (ou 168%) no período. Com resultados positivos em todos os anos da década, o milho entregou saldo de quase 50 bilhões de dólares ao Brasil.

evolução no saldo da balança comercial do milho

O que podemos esperar para 2021?

O primeiro quadrimestre mostra que os bons ventos continuam soprando para a balança comercial brasileira seguir fechando positiva, conduzida pelo agronegócio. O saldo dos primeiros quatro meses do ano é positivo em US$ 18,257 bilhões, valor 103,9% maior do que o registrado no mesmo período de 2020, quando foi registrado um saldo positivo de US$ 8,955 bilhões.

Para o ano de 2021, o Ministério da Economia acredita em números expressivos, com a balança comercial brasileira alcançando um superávit de 89,4 bilhões de dólares. Caso a estimativa seja confirmada, isso representa um resultado 75% maior que o de 2020 e o recorde para a série histórica.

Quer saber mais sobre a influência do milho para o agronegócio? Leia os outros artigos disponíveis aqui no blog Somos Milhões e acompanhe a Nidera Sementes no Instagram.

Fontes:

Fonte: Prof. Marcos Fava Neves com base em MAPA e SECEX.

Fonte: Markestrat com base em MAPA.

Money Times

Canal Rural

Brasil Agro

Folha

G1

Deixe um comentário